Skip to content

Vou dar aula, e agora?

Nathalia Domingos

Embora o curso apropriado para a formação de professores de música do ensino básico, escolas especializadas de música, centros comunitários etc. seja a licenciatura, muitos bacharéis – inclusive outros profissionais – atuam nesse segmento como forma de complementar sua renda ou até mesmo como principal fonte. Cedo ou tarde, o bacharel em música ministra aulas individuais ou em grupos em escolas especializadas de música, conservatórios, em sua própria residência ou na casa do aluno. Coutinho (2014) enfatiza a dicotomia músico versus professor, já que a docência aparece nos discursos dos bacharéis em música como uma opção profissional:

90% dos egressos entrevistados desenvolve (ou já desenvolveu) atividades docentes. Este tipo de atuação tem se tornado uma opção da maioria, já que a demanda do mercado de trabalho tem colocado a docência como uma das principais possibilidades de atuação e estabilidade financeira para o músico erudito na cidade de João Pessoa (Coutinho, 2014, p. 59) [1].
[1] Essa pesquisa qualitativa com base em entrevistas foi realizada com dez egressos do curso de Bacharelado em Música na UFPB.

Weise (2011) investiga alguns conceitos de musicalidade a partir da perspectiva de professores dos cursos de Bacharelado em Flauta Doce no Brasil, bacharéis, bacharelandos e experts. Percebe-se, em seus dados, que as principais atuações no mercado de trabalho, dentro da concepção dos próprios bacharéis e bacharelandos em flauta doce, são a performance musical e o ensino (Tabela 1). Com relação à sua principal atuação, observa-se que o ensino ocupa a segunda posição (Tabela 2). Esse panorama corrobora aquilo que já sabemos na prática: a atuação do bacharel como professor.

Tabela 1: Atuação do flautista doce no mercado de trabalho (WEISE, 2011, p. 66)

Dados
Valores
Professor de flauta doce
90%
Flautista atuando em grupos de música de câmara
90%
Solista
20%
Não tenho atuação no momento
10%

Tabela 2: Principal atuação no mercado de trabalho (WEISE, 2011, p. 67)

Dados
Valores
Professor de flauta doce
30%
Flautista atuando em grupos de música de câmara
50%
Solista
0%
Não tenho atuação no momento
10%
Outro – Graduação em psicologia
10%

A tendência dos instrumentistas é repetir, muitas vezes de forma inconsciente, a metodologia de ensino vivenciada em sua própria formação musical. O modelo conservatorial de ensino  tem como alicerce metodológico a adoção de métodos para o estudo com ênfase em aspectos mecânicos da prática instrumental. Esse modelo tutorial, estruturado para atender as demandas da música erudita europeia do século XIX, foi adotado no Brasil  e exerce, ainda hoje, forte influência no processo de formação do instrumentista brasileiro. 

Minha educação musical esteve enraizada nesse padrão conservatorial com aulas individuais que visaram o domínio técnico do instrumento. Questões como improviso, criação e expressão não foram tão explorados nos primeiros anos de meus estudos musicais – uma pena, pois hoje percebo que muitos bloqueios e dificuldades nessas áreas são consequências dessa metodologia de ensino. O intuito aqui, no entanto, não é defender ou atacar os diferentes modelos de ensino musical (tutorial e coletivo), mas incitar a reflexão a respeito da nossa formação e da nossa própria prática docente, já que a atuação do professor pode marcar, positivamente ou não, a vida e as escolhas de seus alunos. Nesse sentido, concordo com Kodály quando afirma que “um professor ruim pode acabar com o amor pela música durante trinta anos em trinta turmas de crianças” (KODÁLY, 1974, [1964], p. 124 apud SILVA, 2012, p. 60).

Peço que reflitam sobre a educação musical que receberam durante a infância, adolescência ou até mesmo a fase adulta. Quais são as melhores e as piores lembranças dessa época? Por fim, ao atuarem como professores de flauta doce, costumam reproduzir a forma como aprenderam a tocar o instrumento utilizando os mesmos livros/métodos e abordagens metodológicas de seus professores? 

Essas questões são primordiais para a conscientização e, consequentemente, adequações e reflexões de nossas práticas pedagógicas em contextos diversificados.

Como articular o ensino do instrumento e despertar o interesse das crianças? 

Minha grande indagação, ao trabalhar com uma turma de crianças, era despertar o interesse musical daqueles alunos por meio de uma aula prazerosa. Foi difícil adotar um método específico de flauta doce, uma vez que a proposta da instituição escolar onde lecionava era uma vivência musical . Embora o enfoque não fosse o desenvolvimento técnico instrumental, a adoção da flauta doce com digitação barroca, independentemente da idade e do nível técnico do aluno, sempre foi pré-requisito em minhas aulas. Trata-se de uma escolha pessoal .

Ao longo desses anos, percebi a importância da inclusão de algumas canções do repertório musical dos alunos, além dos elementos da técnica instrumental e da teoria musical, pois isso os estimula a estudar o instrumento. 

Devo advertir que disciplinas como didática e metodologia de ensino não fizeram parte da minha formação acadêmica, já que sou bacharel em música. Por esse motivo foi essencial, para o meu amadurecimento profissional, a busca de informação a respeito dos principais pedagogos do século XX , trabalhos sobre flauta doce no âmbito acadêmico no Brasil  e cursos de curta duração destinados à formação de professores. Esses elementos enriqueceram as minhas aulas com o grupo de crianças.

E agora? Qual método usar?

Após a conscientização e a adaptação, no meu caso, das aulas de flauta doce conciliando os exercícios musicais de forma lúdica com a técnica instrumental para as crianças, outra questão surgia: qual método adotar?

Existem no mercado inúmeros métodos de iniciação musical e técnica avançada destinados à flauta doce . Beineke (1997) analisa alguns deles divulgados no Brasil:

Judith Akoschky
Flauta Dulce y educacion musical: guia para la enseñanza coletiva. Buenos Aires: Ricordi Americana, 1977.

Judith Akoschky e Mario Videla
Iniciacíon a la flauta dulce soprano em do: tomo 1. Buenos Aires: Ricordi, 1967.

Isolde Frank
Pedrinho toca flauta: volume 1. São Leopoldo: Ed. Sinodal, 1980.

Peter Heibut
Flötenspielbuch: Heft 1. Wilhelshaven, Otto Heinrich Noetzel Verlag, 19??

Margrit Küntzel-Hansen
Das Blockflöten Anfängenheft: Blockflöten-Kurs, teil 1. Hamburg: Sikorski Verlage, 1985.

Helmut Monkemeyer
Método para flauta doce soprano. São Paulo: Ricordi Brasileira, 1976.

Carmen Maria Metting Rocha
Iniciando a Flauta Doce. São Paulo: Ricordi, 1986.

Nereide Schilaro Santa Rosa
Flauta Doce: método de ensino para crianças. São Paulo: Scipione, 1993.

Helle Tirler
Vamos tocar flauta doce: volume 1. São Leopoldo: Sinodal, 1976.

A autora conclui que há dois tipos em relação à abordagem do repertório: a) ensino centrado na execução de uma coletânea de músicas organizadas de forma sequencial de acordo com as dificuldades técnicas propostas (a maioria deles); b) ênfase em exercícios técnicos isolados que são considerados pré-requisitos para a execução do repertório instrumental proposto.
De fato, a maioria dos métodos com os quais tive contato apresenta essa estrutura na qual as canções são organizadas de acordo com o grau de dificuldade técnica. Em geral, são destinados ao ensino infantil e o repertório, na sua grande maioria, prioriza canções folclóricas do Brasil e de outros países ocidentais. Alguns métodos contam com composições elaboradas pelos próprios autores, enquanto outros trazem músicas do período renascentista e barroco.
A seguir, uma lista complementar com algumas obras que considero relevantes. A pretensão não é elencar e nem analisar todos os métodos de flauta doce existentes e/ou disponíveis no mercado, mas apontar algumas características de alguns que adquiri e utilizei em algumas aulas ao longo desses anos. Dentro dessa perspectiva, destaco:

Judith Akoschky e Mario Videla
Iniciação à flauta doce volume I

  • Público alvo: ensino coletivo para crianças, principiantes.
  • Repertório: canções do folclore brasileiro e de outros países ocidentais.
  • Primeiro dedilhado: nota si [01].
Os autores enfatizam os principais aspectos da técnica da flauta doce, como controle da respiração; postura do corpo; posição dos dedos e dos lábios; articulação (tu); afinação e cuidados com a manutenção do instrumento.

Tereza Castro
Cada Dedo Cada Som. Mega Consulting, Belo Horizonte, 2004. 

  • Público alvo: crianças de 5-12 anos.
  • Repertório: composições da autora e de seus alunos, além de canções da tradição oral ocidental.
  • Primeiro dedilhado: notas si [01] e lá [012].
Segundo Freixedas (2015, p. 66-67), trata-se de “um método para iniciantes em flauta doce. O livro contém várias melodias, algumas delas de alunos. Ao invés da escrita tradicional, o volume representa gráficos representativos dos parâmetros de altura e duração. Este método vem acompanhado de bloquinhos de madeira coloridos, em vários tamanhos, chamado pela autora de ‘Toquinhos Musicais’, que possibilitam a vivência concreta da questão de proporção entre as figuras musicais, trabalhando a questão da leitura de maneira lúdica e criativa”.

Tereza Castro
Cada Som Cada Música. Belo Horizonte, 2007. 

  • Público alvo: crianças de 5-12 anos.
  • Repertório: canções da tradição oral ocidental e composições da autora.
  • Primeiro dedilhado: nota ré [0123456].
No primeiro capítulo, as cinco alturas trabalhadas no livro “Cada Dedo Cada Som” são recordadas. O livro contém o jogo “Baralhos Coloridos” que possibilita a introdução e o desenvolvimento da leitura musical por meio do pentagrama e não mais por meio dos gráficos, como ocorria com os “Toquinhos Musicais” no livro “Cada Dedo Cada Som” (2004).

Isolde Mohr Frank
Método para Flauta Doce; Soprano. São Paulo: Ricordi Brasileira, 1976 (1ª ed.). 

  • Público alvo: alunos a partir de 10 anos com leitura musical.
  • Repertório: temas folclóricos brasileiros e músicas de origem europeia – período renascentista e barroco.
  • Primeiro dedilhado: notas dó [02] e lá [012].
O método apresenta brevemente a posição do corpo e das mãos; a articulação (du); respiração; afinação, além dos valores das notas e pausas.

Isolde Mohr Frank
Pedrinho Toca Flauta volume 1. São Leopoldo/RS, 1980. Editora Sinodal. 

  • Público alvo: crianças de 6-9 anos.
  • Repertório: temas infantis e folclóricos, todos com letra, o que incentiva a criança a cantar e a tocar as músicas.
  • Primeiro dedilhado: notas dó [02] e lá [012]. 
Em sua introdução, a autora se dirige aos professores de música e destaca algumas experiências feitas em suas aulas com crianças. 

Isolde Mohr Frank
Pedrinho Toca Flauta volume 2. São Leopoldo/RS, 1982. Editora Sinodal. 

  • Público alvo: crianças de 6-9 anos.
  • Repertório: 58 canções para serem cantadas e tocadas.
  • Primeiro dedilhado: notas sol [0123] e mi [012345].
Trata-se da continuação do volume 1 com ênfase nos dedilhados das notas da mão direita e da oitava superior, além das notas alteradas.

Helmut Monkemeyer
Método para tocar la flauta Dulce soprano. Celle: Hermann Moeck Verlag, 1966.  

  • Público alvo: alunos com leitura musical.
  • Repertório: músicas de origem europeia: folclórico, renascentista e barroco.
  • Primeiro dedilhado: notas sol [0123], lá [012] e si [01].
No início de cada capítulo, há a apresentação do novo dedilhado e exercícios de fixação.

Elisabeth Seraphim Prosser
Vem comigo tocar flauta doce: Manual para flauta doce soprano vol. I. Brasília: Editora Musimed, 1995.

  • Público alvo: Crianças a partir de 6 anos.
  • Repertório: canções do folclore brasileiro e algumas do folclore alemão e inglês.
  • Primeiro dedilhado: nota lá [012].
Indicações de como segurar a flauta e da articulação (tu)

Nereide Schilaro Santa Rosa
Flauta doce – Método de ensino para crianças. Ano: 1997, Editora Scipione – 2ª Ed.

  • Público alvo: Crianças a partir de 6-7 anos.
  • Repertório: Folclore brasileiro e MPB.
  • Primeiro dedilhado: nota si [01].
Contém introdução em como segurar a flauta doce; posição da flauta doce na boca; articulação (tu); duração do som; posição das mãos; figuras musicais e leitura no pentagrama.

Helle Tirler
Vamos tocar flauta doce 2º volume. São Leopoldo, 1971.

  • Público alvo: pequenos principiantes.
  • Repertório: 36 canções folclóricas brasileiras em arranjos para duas flautas soprano (Não há exercícios técnicos).
  • Extensão: dó [01234567] até fá [012346].
Para Tirler, as segundas vozes são apresentadas como estímulo à improvisação e também para ajudar a reunir grupos de níveis de aprendizagem diferentes. 

Cristal Velloso
Sopro Novo Yamaha – caderno de flauta soprano. Rio de Janeiro: Irmãos Vitale, 2006. 

  • Público alvo: alunos com leitura musical.
  • Repertório: folclórico e algumas peças eruditas.
  • Primeiro dedilhado: nota si [01].
O Caderno enfatiza alguns aspectos da técnica do instrumento, como postura, respiração, articulação (tu, du, ku, lu), afinação, além do ensino da leitura musical convencional (pentagrama, figuras musicais e suas pausas, compassos etc.). Um CD com playback das canções acompanha o livro. 

Renate Weiland, Ângela Sasse e Anete Weichselbaum
Sonoridades Brasileiras. Curitiba – 2009.

  • Público alvo: Crianças e adolescentes.
  • Repertório: brasileiro com músicas tradicionais regionais.
  • Primeiro dedilhado: nota lá [012].
De acordo com Freixedas (2015, p.67), “as autoras se preocupam com a qualidade do ensino deste instrumento, estimulando a criatividade, a apreciação e a criação musical, sem deixar de lado considerações importantes sobre sua técnica. O livro apresenta um repertório voltado para a música brasileira, com melodias e ritmos de manifestações culturais provenientes de diferentes regiões do país, como: baião, coco etc. Apresentam, ainda que brevemente, algumas sonoridades não convencionais e determinadas técnicas estendidas, como glissando, efeitos percussivos, além de algumas partituras gráficas”. Além disso, as autoras iniciam cada capítulo com uma estratégia denominada “Blocos Criativos” cujo objetivo é ensinar uma posição nova na flauta doce (técnica) ao mesmo tempo que estimulam a criatividade do aluno.

Algumas dificuldades

Umas das primeiras dificuldades das crianças na fase inicial do aprendizado da flauta doce é a postura, especialmente no que diz respeito à mão direita. Percebe-se que a maior parte dos métodos, salvo exceções[1], introduz os dedilhados das notas tocadas pela mão esquerda. Isso, às vezes, pode trazer posturas inadequadas de sustentação da flauta, já que a mão direita não é requisitada. Por esse motivo, procuro introduzir a nota mi [012345] assim que os alunos se familiarizam com as notas si [01], lá [012] e sol [0123], pois dessa forma são obrigados a manter a mão direita em uma posição adequada.

Um artifício que costumo empregar nas primeiras aulas é a utilização de “etiquetas circulares”, encontradas em papelarias, no orifício do polegar para auxiliar o fechamento do furo e, com isso, obter uma melhor qualidade sonora. Com o passar das semanas, se a criança se sentir segura, as etiquetas são removidas.

Ultimamente, tenho utilizado algumas canções e atividades dos métodos “Cada Dedo Cada Som” (CASTRO, 2004), “Sonoridades Brasileiras” (WEILAND; SASSE; WEICHSELBAUM, 2009) e “Vamos tocar flauta doce, volume 1” (TIRLER, 1976) nas aulas coletivas das crianças. Com essas referências, é possível desenvolver a percepção musical[2], a coordenação motora, a leitura relativa e a criação musical com partituras não convencionais de forma lúdica. Na verdade, utilizo canções e arranjos de vários autores sem, no entanto, seguir rigorosamente um determinado método do começo ao fim. As escolhas ocorrem de acordo com as necessidades daquele momento – essa é minha forma de trabalhar e acredito que seja assim com grande parte dos professores de flauta doce.

Considerações finais

Gostaria apenas de ressaltar que essas são as minhas percepções, reflexões e escolhas baseadas nas minhas experiências ao lecionar flauta doce para um grupo de crianças – de forma alguma elas são piores ou melhores que outras concepções e/ou preferências.

Para mim, a adequação da minha prática pedagógica de acordo com as necessidades e a realidade dos meus alunos foi essencial. Foi importante, durante esse processo, a conscientização, a busca pela informação e a especialização.

Acredito que nós, musicistas, devemos refletir a respeito de nossa formação musical, de nossa atuação profissional, estar ciente das novas tendências, métodos, abertos às discussões e, se necessário, adaptar a nossa prática docente. Dessa forma, o ensinar torna-se algo prazeroso e não apenas a única opção disponível de atuação profissional como fonte de renda principal ou extra.

Notas

[1] Essa pesquisa qualitativa com base em entrevistas foi realizada com dez egressos do curso de Bacharelado em Música na UFPB.

[1] Também denominado “modelo tutorial de ensino” (TOURINHO, 2007). Nesse caso, o ensino e a aprendizagem ocorre por meio da relação direta e exclusiva entre aluno e professor.

[1] Fundado em 1841, o Conservatório de Música do Rio de Janeiro serviu de modelo para os outros conservatórios brasileiros.

[1] Os estudos sobre o ensino coletivo em espaços escolares e não escolares vêm crescendo significativamente na área da educação musical. Inúmeros relatos e discussões a respeito do ensino e aprendizagem do instrumento estão publicados nos anais do Encontro Nacional de Ensino Coletivo de Instrumento Musical (ENECIM). Para maiores informações, ver: <https://enecim.emac.ufg.br/>. Tanto para Cruvinel (2003) quanto Tourinho (2007), o ensino coletivo é mais apropriado para os alunos iniciantes, mas dependendo do objetivo da aula, do curso, das características daqueles indivíduos, é muito interessante agregar as duas metodologias (coletivo e individual).

[1] Relatarei aqui a minha experiência em uma escola regular particular que oferece aulas extracurriculares aos seus alunos, como natação, judô, ballet, teatro, futebol, basquetebol, música (flauta doce).

[1] As diferenças e as origens dos dedilhados (barroco e germânico) podem ser consultadas em: MICHELINI, Patrícia. “Flauta Doce Barroca X Germânica – Dois Dedos de Prosa”. Disponível em: <http://labflauta.org/conteudo/flauta-doce-barroca-x-germanica/>. Acesso em: 01 de nov. 2018.

[1] Para informações a respeito dos pedagogos, ver: FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: UNESP, 2005; MATEIRO, Teresa; ILARI, Beatriz (Org.). Pedagogias em educação musical. Curitiba: Ibpex, 2011; PAZ, Ermelinda A. Pedagogia Musical Brasileira no Século XX. Metodologias e Tendências. Brasília: MusiMed, 2000.

[1] A flauta doce tem conquistado um espaço cada vez maior nos Programas de Pós-graduação. Essa produção enriquece os debates acerca do papel da flauta doce como mediadora no processo de musicalização. Para maiores detalhes, ver: “Bibliografia Secundária”.

[1] Ver: Associação Orff Brasil <www.abraorff.org.br>; Associação Musical Suzuki <http://www.associacaomusicalsuzuki.com.br/>; Atelier Musical Enny Parejo <http://ennyparejo.com.br/>; Escola de Música de Jundiaí <http://www.emj.art.br/cursos-para-professores>; Instituto Brincante <http://www.institutobrincante.org.br/>; Instituo de Educação Musical (IEM) <http://musicaiem.com.br/>; Música e Movimento <http://www.musicaemovimento.com.br/>. Acesso em: 02 de nov. 2018.

[1] Aqui não serão abordados os métodos de técnica avançada para flauta doce.

[1] O método Suzuki de flauta doce soprano volume I, por exemplo, apresenta os dedilhados ré [0123456] e fá# [012356] em sua primeira canção. TAETS (2012), em sua dissertação, avalia as possibilidades de aplicação de uma prática de ensino de musicalização por meio da Flauta Doce a partir da nota mi [012345] como condutora.

[1] Recomendo os Jogos de Escuta propostos pela flautista doce Claudia Freixedas (2015) que têm como objetivo sensibilizar e desenvolver a percepção auditiva.Noa

Referências

BEINEKE, Viviane. A educação musical e a aula de instrumento: uma visão crítica sobre o ensino da flauta doce. In: Expressão, Revista do Centro de Artes e Letras da UFSM, Ano 1, nº 1/2, 1997, p. 25-32.

COUTINHO, Raquel Avellar. Formação superior e mercado de trabalho: considerações a partir das perspectivas de egressos do Bacharelado em Música da UFPB. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014.

CRUVINEL, Flávia Maria. Efeitos do ensino coletivo na iniciação instrumental de cordas: a educação musical como meio de transformação social. Dissertação (Mestrado em Música) – Escola de Música e Artes Cênicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2003.

FREIXEDAS, Claudia Maradei. Caminhos criativos no ensino da flauta doce. Dissertação (Mestrado em Música) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SILVA, W. M. Zoltán Kodály: alfabetização e habilidades musicais. In: MATEIRO, T.; ILARI, B. (Org.). Pedagogias em Educação Musical. Curitiba: Editora Intersaberes, 2012. p. 55-88.

TOURINHO, Cristina. Ensino coletivo de instrumentos musicais: crenças, mitos, princípios e um pouco de história. In: XVI Encontro Nacional da ABEM, Campo Grande, 2007.

WEISE, Tatiane. O(s) conceito(s) de musicalidade na perspectiva de experts, professores e bacharéis da área de flauta doce. Dissertação (Mestrado em Música) – Setor de Ciências Humanas, Letras, e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

 

BIBLIOGRAFIA SECUNDÁRIA

ARAÚJO, Rosali Vigiano. O ensino da flauta doce na prática de estágio do curso de música da UEL. Monografia (Especialização em Metodologia da Ação Docente). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2003.

BUENO, Meygla Rezende. A flauta doce em um processo de musicalização na terceira idade. Dissertação (Mestrado). Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás, 2008.

CAETANO, Milena Tibúrcio de Oliveira Antunes. Ensino coletivo de flauta doce na educação básica: práticas pedagógicas musicais no Colégio Pedro II. Dissertação (Mestrado). Escola de Música da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2012.

CUERVO, Luciane. Musicalidade na performance com a flauta doce. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Estado do Rio Grande do Sul, 2009.

NÓBREGA, Janaina Lima. Música contemporânea: aprendizagem das técnicas estendidas da flauta doce. Monografia (Graduação em Música) – Instituto de Artes da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2012.

PAOLIELLO, Noara de Oliveira. A flauta doce e sua dupla função como instrumento artístico e iniciação musical. Monografia (Licenciatura). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UFRJ, Centro de Letras e Artes. Rio de Janeiro, 2007.

PENTEADO, Silvia Regina Beraldo. O aprendiz da flauta doce nas primeiras séries do ensino fundamental: repertório didático. Dissertação (Mestrado). Instituto de Artes, Programa de Pós-graduação em Música da Universidade de Campinas, 2007.

SOUZA, Zelmielen Adornes de. Construindo a docência com a flauta doce: o pensamento de professores de música. Dissertação (Mestrado). Santa Maria: Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria, 2012.

WEICHSELBAUM, Anete Susana. Flauta doce em um curso de licenciatura em música: entre as demandas da prática musical e das propostas pedagógicas do instrumento voltadas ao Ensino Básico. Tese (Doutorado em Música). Instituo de Artes da Universidade do Rio Grande do Sul, 2013.

WEILAND, Renate Lizana. Aspectos figurativos e operativos da aprendizagem musical de crianças, por meio do ensino de flauta doce. Dissertação (Mestrado). Curso de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná, 2006.

placeholder.png

Alfredo Faria Zaine

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.